Domingo, 19 de Agosto de 2007

Relembrando Zeca Afonso

ZECA AFONSO

 
Viva o poder popular

Não há velório nem morto
Nem círios para queimar
Quando isto der prò torto
Não te ponhas a cavar

Quando isto der prò torto
Lembra-te cá do colega
Não tenhas medo da morte
Que daqui ninguém arreda

Se a CAP é filha do facho
E o facho é filho da mãe
O MAP é filho do Portas
Do Barreto e mais alguém

Às aranhas anda o rico
Transformado em democrata
Às aranhas anda o pobre
Sem saber quem o maltrata

Às aranhas te vi hoje
Soldado, na casamata
Militares colonialistas
Entram já na tua casa

Vinho velho vinho novo
Tudo a terra pode dar
Dêm as pipas ao povo
Só ele as sabe guardar

Vem cá abaixo ó Aleixo
Vem partir o fundo ao tacho
Quanto mais lhe vejo o fundo
Mais pluralista o acho
Os barões da vida boa
Vão de manobra em manobra
Visitar as capelinhas
Vender pomada da cobra


A palavra socialismo
Como está hoje mudada
De colarinho a Texas
Sempre muito aperaltada


Sempre muito aperaltada
Fazendo o V da vitória
Para enganar o proleta
Hás-de vir comigo a glória


O Willy Brandt é macaco
O Giscard é macacão
O capital parte o coco
Só não ri a emigração


De caciques e de bufos
Mandei fazer um sacrário
Para por no travesseiro
Dum cura reaccionário


Não sei quem seja de acordo
Como vamos terminar
Vinho velho vinho novo
Viva o Poder Popular
Poder Popular editou às 12:26
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007

Movimento de Bases Populares da Venezuela

O salto em frente é o Poder Popular

por Movimento de Bases Populares da Venezuela

 

 Assistimos ao encerramento de um período de ofensiva contra-revolucionária, onde o povo venezuelano, sectores patrióticos das forças armadas e o governo derrotaram a dita ofensiva estratégica da direita interna, representada pelos grupos económicos, partidos políticos (Acção Democrática, COPEI, Bandeira Vermelha, Primeiro Justiça, MAS e Cúpulas Sindicais) e externa, o império norte-americano.         Esse período decorre desde a promulgação das “leis habilitantes” (10/12/2000), quando teve lugar a primeira greve decretado pelos sindicatos amarelos até ao referendo, passando pelo Golpe de Estado (11/05/2001) e lock-out petrolífero.

Neste período valorizamos as ajudas do Companheiro Presidente à Revolução Bolivariana:

1- Desenvolvimento da consciência popular do Pensamento Bolivariano, pensamento que foi assumido pelo povo como parte da sua identidade e alternativa transformadora.

2- Desenvolvimento, também da consciência do povo, de um sentimento anti-imperialista, com que o povo precise e identifique o inimigo principal.

3- Promulgação do texto constitucional. O incremento dos níveis de organização do povo, os nove processos eleitorais, sendo o mais importante o ratificador. A promulgação das leis habilitantes. O avanço na abertura de espaços internacionais permeáveis e favoráveis aos êxitos do projecto bolivariano, a proposta política do salto em frente, como um segundo fôlego de transformações politico-sociais e económicas.

A implementação nacional das Missões
[1] permitiu incorporar o povo, maciçamente, nas políticas sociais e, fundamentalmente, a ser participante directo de uma das formas de distribuição da renda petrolífera, mas também reconfigurou uma nova institucionalidade, contraposta ao velho estado “puntofijista”. Um desafio que a partir daqui se coloca é precisamente a superação desse velho estado e a configuração de um estado de transição, democrático, nacional e popular, expressão da nova realidade nacional; para a revolução é imprescindível construir uma nova institucionalidade, um novo estado e novas relações de poder, onde o horizonte seja a socialização-democratização do poder político.

A elaboração de uma política energética multilateral permitiu dar um preço mais justo ao petróleo, reactivar a OPEP e, nessa direcção, valorizamos os esforços por uma política petrolífera e energética continental e subordinada às necessidades de desenvolvimento nacional dos nossos países.

Encerra-se um ciclo da luta de classes, a contra-revolução foi tacticamente derrotada e abre-se um novo período de confrontação, onde emergem novos actores e novos cenários. Aqui, queremos destacar a situação provocada pelo sequestro do dirigente revolucionário Rodrigo Granda, em flagrante violação da soberania nacional e um claro exemplo da expansão e aprofundamento do Plano Colômbia II, que expressa os verdadeiros planos do império para desestabilizar a Revolução Bolivariana e regionalizar o conflito colombiano, cenário ideal para dividir os nossos povos e aí colocar as suas forças militares recolonizadoras. Perante isto, repudiamos firmemente as provocações fascistas do lacaio Alvaro Uribe, títere do império norte-americano, que está a converter a república irmã da Colômbia num porta aviões ianque, a partir da qual se deslocariam as forças intervencionistas contra a nossa revolução e todos os povos latino-americanos em luta.

Por isso pensamos que a estratégia imperial para derrotar a revolução bolivariana está numa fase de reelaboração e procura descobrir um novo actor que conduza a contra-revolução. E aqui está, a nosso ver, problema central: neste novo período, o aprofundamento ou a derrota da revolução passa por o povo organizado e as suas diversas formas de organização política na rua, elevando o seu nível de consciência e organização, impedir que a direita enquistada no processo, empenhe os nossos sonhos e esperanças ao império, sob a fórmula de institucionalização da revolução, canalizando o processo dentro dos parâmetros de um novo estado capitalista modernizado.

Assim, neste novo ciclo histórico, os inimigos principais continuam a ser o imperialismo norte-americano e a direita, disfarçada de bolivariana, infiltrada no processo; daí ser fundamental mobilizarmo-nos e lutar para que o salto em frente da revolução seja, efectivamente, o aprofundamento das transformações sociais, políticas e económicas, isto é, que se constitua num instrumento de efectiva e real transparência do poder perante o povo organizado.

A confrontação política de classes agudizar-se-á e passará para outras instâncias e planos, onde um deles é a resistência-boicote às mudanças do velho estado para a construção de uma nova institucionalidade revolucionária. Por isso, nós, homens e mulheres do campo e da cidade, organizados no Movimento de Bases Populares, 13 anos antes da insurreição cívico-militar bolivariana, queremos retomar esse mesmo espírito rebelde e heróico dos nossos militares patriotas, para novamente colocar a necessidade histórica da unidade entre o povo e as Forças Armadas, para fazer frente ao inimigo que espreita a nossa Pátria, e isso não é outra coisa senão a defesa integral da Nação. Propomos ao povo e às organizações populares a seguinte plataforma de luta que, na prática concreta, nos vá articulando e unificando, sem sectarismos, nem cálculos de grupo, pois o nosso único guia de acção deve ser a defesa e aprofundamento da revolução. Não podemos abandonar o companheiro Presidente neste novo ciclo histórico de confrontação de classes. De nós depende, pois, que a espada de Bolívar prossiga cavalgando pela América Latina.

PLATAFORMA DE LUTA DO POVO BOLIVARIANO

 

  • Assumir a Defesa Integral da Pátria no campo e na cidade.
     

  • Construir Brigadas de Segurança Camponesa e Comités de Defesa Popular, conjuntamente com as nossas forças armadas, sob o lema de guerra de todo o povo.
     

  • Frente à agressão do império, massificar a reserva e elevar o seu nível de preparação.
     

  • Construir um espaço de convergência do anti-imperialismo latino-americano e global.
     

  • Nacionalizar a banca.
     

  • Democratizar o Banco Central. As reservas económicas são do povo e devem financiar o desenvolvimento nacional.
     

  • Revolução Agrária. Avançar com as cartas agrárias da propriedade social da terra e a sua conformidade com circuitos produtivos regionais.
     

  • Impulsionar a reforma e aprofundar a Lei das Terras, com a participação directa dos camponeses.
     

  • Desenvolver a níveis superiores as Cooperativas e outras forma associativas, como alternativa de novas relações sociais.
     

  • Participação directa do campesinato e pequenos produtores nas decisões do Plano Sementeira.
     

  • Fim da impunidade e do assassinato por encomenda. Fim dos despejos e violações dos direitos humanos nos campos.
     

  • Construir um espaço de encontro do movimento camponês revolucionário, assumindo a mobilização como um terreno de luta.
     

  • Titulação colectiva da terra, créditos e sementes sem sabotagem e apoio técnico para todo o processo produtivo.
     

  • Nova cultura produtiva e implementação de novos modelos educativos nas cooperativas, adaptados à realidade do campo.
     

  • Transformar do Estado e da Administração Pública. Avancemos para um novo Estado Nacional e Popular.
     

  • Simplificar os trâmites e processos administrativos dos organismos estatais a que povo tem acesso.
     

  • Reforma Universitária, por uma Universidade democrática, nacional e popular, promotora dum desenvolvimento endógeno.
     

  • Construir e desenvolver um movimento estudantil adequado à nova realidade histórica do país: amplo, unitário e revolucionário.
     

  • Retomar o impulso e o debate sobre a transformação universitária, assumindo a participação concreta na nova Lei da Universidade.
     

  • Implementar e aprofundar as Leis de Participação Popular e ampliar os mecanismos democratizadores do poder, em todas as suas esferas: O Poder Popular constrói-se aqui e agora.
     

  • Municipalizar o Poder Popular na nova Lei das Municipalidades, com a incorporação, em todos os níveis de decisão, do povo organizado: co-governo e democracia directa. O novo estado deve construir-se desde baixo.
     

  • Reforma da Lei FIDES, ampliação até 50% da inversão directa das comunidades
     

  • Construção concreta da Frente Revolucionária de Massas, como instância de unidade e articulação programática dos movimentos sociais e políticos, revolucionários do processo.
     

  • Discussão e desenvolvimento, desde baixo, dos 10 pontos do novo mapa estratégico da revolução.
     

  • Assumir as Assembleias Populares como veículo para a discussão e implementação da presente plataforma de luta.
     

[1] N. do T.: Refere-se, entre outras, à Missão Barrio Adentro e à Missão Robinson que, com ajuda cubana, levaram cuidados de saúde a milhões que deles estavam privados e trabalham para a extinção do analfabetismo na Venezuela.

O original encontra-se em:
http://www.apiavirtual.com/modules.php?name=News&file=article&sid=4942.

Tradução de JPG.


Este documento encontra-se em: http://resistir.info/.

12/Fev/05
Poder Popular editou às 18:29
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 13 de Agosto de 2007

Aniversário de Fidel

 Fidel Castro, faz hoje 81 anos.

Parabéns para ele e para Cuba que tem uma sociedade sem explorados e exploradores, onde os EUA não conseguem dominar como o fazem na maioria dos países do mundo e que apesar dum injusto bloqueio económico e comercial Cuba vai sobrevivendo e mostrando ao mundo que o comunismo é viável.

Parabéns camarada Fidel.

viva Fidel, viva Cuba, viva o Socialismo.
Poder Popular editou às 16:22
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 12 de Agosto de 2007

Vencer o capitalismo

Com a queda da URSS o capitalismo ficou dono de toda a sociedade humana e o resultado está á vista.

Torna-se urgente dar força á luta pelo verdadeiro Poder Popular em todo o mundo.

Poder Popular editou às 16:21
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim

Exercendo Poder

 

Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Poder em acção

Só vence quem perservera

CHE continua vivo em noss...

Dois acontecimentos, uma ...

Relembrando Zeca Afonso

Movimento de Bases Popula...

Aniversário de Fidel

Vencer o capitalismo

Registos

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Campo de batalha


Poder Popular

A Voz do Proletário

Explorados e Oprimidos

Vítimas do terrorismo

O Revolucionário

Unidade POVO/MFA

Reforma Agrária

Bandiera Rossa

A Bandeira Vermelha

O Verdadeiro Socialismo

O anti-capitalista



Estou no Blog.com.pt
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags