Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007

Só vence quem perservera

Venezuela: Hugo Chávez critica apoiantes e diz que deixará o poder em 2012

7 de Dezembro de 2007, 03:55

 

Uma revolução não é uma brincadeira, e os simpatizantes de Hugo Chávez deveriam saber isso. Vitórias não se conseguem ficando com o cu sentadinho no sofá em casa na hora de votar quando o inimigo vai votar em massa.

Para que o Poder Popular seja uma realidade há que ser firme lutador e estar atento ás forças capitalistas.

O Poder Popular


Caracas, 07 Dez (Lusa) - O Presidente venezuelano, Hugo Chávez Frías, criticou na quinta-feira os seus simpatizantes por não terem comparecido todos às urnas no referendo constitucional de domingo e anunciou que terá de deixar o poder em 2012.

"Estive estes dias a reflectir muito e tenho de deixar o governo no ano 2012. Vocês não aprovaram a reforma, eu tenho de ir (embora)", disse.

Hugo Chávez falava a um grupo de simpatizantes, no Poliedro de Caracas, que ruidosamente manifestaram o seu desacordo em que deixe a Presidência da República.

"Por mais que gritem, a verdade é a verdade, o sim perdeu em Miranda e em Caracas, tomem nota, perdeu em Petare, nos bairros não foram votar, uma boa parte não foi votar, milhões que não foram votar", disse.

Sublinhou ainda que "vocês poderão dizer o que queiram mas não têm desculpa, falta de consciência, de resolução, pela pátria, não têm desculpas, um revolucionário não procura uma desculpa".

Segundo Hugo Chávez, algumas das desculpas dos seus simpatizantes "são escusas de débeis, de cobardes e de preguiçosos, dos que têm falta de consciência, de pátria, de consciência revolucionária".

Insistiu que "estamos a enfrentar o império dos Estados Unidos" e que os resultados do referendo constitucional de 2 de Dezembro são uma advertência "se nos descuidamos e não fazemos o trabalho que temos que fazer e nos deixamos confundir".

FPG.

Lusa/fim.

sinto-me:
Poder Popular editou às 10:52
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 9 de Outubro de 2007

CHE continua vivo em nossos corações

Poder Popular editou às 19:40
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 9 de Setembro de 2007

Dois acontecimentos, uma só data...

Aproxima-se mais um 11 de Setembro, altura em que o povo americano relembra a tragédia vivida causada pelo terrorismo da "Al-Qaeda". Mas os homens e mulheres de esquerda não esquecem outro acto terrorista fomentado pela CIA e sobre a influência do então presidente americano Nixon, contra o governo do Chile,  democraticamente eleito.


Ultimo Discurso de Salvador Allende
11 de septiembre de 1973

…Pagaré con mi vida la defensa de principios que son caros a esta patria. Caerá un baldón sobre aquellos que han vulnerado sus compromisos, faltando a su palabra, roto la doctrina de las Fuerzas Armadas.

El pueblo debe estar alerta y vigilante. No debe dejarse provocar, ni dejarse masacrar, pero también debe defender sus conquistas. Debe defender el derecho a construir con su esfuerzo una vida digna y mejor.

Una palabra para aquellos que llamándose demócratas han estado instigando esta sublevación, para aquellos que diciéndose representantes del pueblo, han estado turbia y torpemente actuando para hacer posible este paso que coloca a Chile en el despeñadero.

En nombre de los más sagrados intereses del pueblo, en nombre de la patria los llamo a ustedes para decirles que tengan fe. La historia no se detiene ni con la represión ni con el crimen. Ésta es una etapa que será superada, éste es un momento duro y difícil. Es posible que nos aplasten, pero el mañana será del pueblo, será de los trabajadores. La humanidad avanza para la conquista de una vida mejor.

Compatriotas: es posible que silencien las radios, y me despido de ustedes. En estos momentos pasan los aviones. Es posible que nos acribillen. Pero que sepan que aquí estamos, por lo menos con este ejemplo, para señalar que en este país hay hombres que saben cumplir con las obligaciones que tienen. Yo lo haré por mandato del pueblo y por la voluntad consciente de un presidente que tiene la dignidad del cargo…

Quizás sea ésta la última oportunidad en que me pueda dirigir a ustedes. La Fuerza Aérea ha bombardeado las torres de Radio Portales y Radio Corporación. Mis palabras no tienen amargura, sino decepción, y serán ellas el castigo moral para los que han traicionado el juramento que hicieron.

Soldados de Chile, comandantes en jefe y titulares… …al almirante Merino… … El general Mendoza, general rastrero que sólo ayer manifestara su solidaridad y lealtad al gobierno, también se ha denominado director general de Carabineros.

Ante estos hechos sólo me cabe decirle a los trabajadores: Yo no voy a renunciar. Colocado en un tránsito histórico pagaré con mi vida la lealtad del pueblo. Y les digo que tengo la certeza que la semilla que entregáramos a la conciencia digna de miles y miles de chilenos no podrá ser cegada definitivamente. Tienen la fuerza, podrán avasallarnos, pero no se detienen los procesos sociales ni con el crimen, ni con la fuerza. La historia es nuestra y la hacen los pueblos.

Trabajadores de mi patria: Quiero agradecerles la lealtad que siempre tuvieron, la confianza que depositaron en un hombre que sólo fue intérprete de grandes anhelos de justicia que empeño su palabra en que respetaría la constitución y la ley, y así lo hizo. Es este momento definitivo, el último en que yo pueda dirigirme a ustedes. Espero que aprovechen la lección. El capital foráneo, el imperialismo, unido a la reacción, creó el clima para que las Fuerzas Armadas rompieran su tradición: la que les señalo Schneider y que reafirmara el comandante Araya, víctima del mismo sector social que hoy estará en sus casas esperando con mano ajena conquistar el poder para seguir defendiendo sus granjerías y sus privilegios. Me dirijo, sobre todo, a la modesta mujer de nuestra tierra: a la campesina que creyó en nosotros; a la obrera que trabajó más, a la madre que supo de su preocupación por los niños. Me dirijo a los profesionales de la patria, a los profesionales patriotas, a los que hace días están trabajando contra la sedición auspiciada por los colegios profesionales, colegios de clase para defender también las ventajas de una sociedad capitalista.

Me dirijo a la juventud, a aquellos que cantaron y entregaron su alegría y su espíritu de lucha; me dirijo al hombre de Chile, al obrero, al campesino, al intelectual, a aquellos que serán perseguidos, porque en nuestro país el fascismo ya estuvo hace muchas horas presente en los atentados terroristas, volando puentes, cortando las vías férreas, destruyendo los oleoductos y los gasoductos, frente al silencio de los que tenían la obligación de proceder… …la historia los juzgará.

Seguramente Radio Magallanes será acallada y el metal tranquilo de mi voz no llegará a ustedes. No importa me seguirán oyendo. Siempre estaré junto a ustedes, por lo menos mi recuerdo será el de un hombre digno que fue leal con la patria. El pueblo debe defenderse, pero no sacrificarse. El pueblo no debe dejarse arrasar ni acribillar, pero tampoco puede humillarse.

Trabajadores de mi patria: Tengo fe en Chile y su destino. Superarán otros hombres el momento gris y amargo, donde la traición pretende imponerse. Sigan ustedes sabiendo que, mucho más temprano que tarde, se abrirán las grandes alamedas por donde pase el hombre libre, para construir una sociedad mejor.

¡Viva Chile, viva el pueblo, vivan los trabajadores!

Éstas son mis últimas palabras, teniendo la certeza de que el sacrificio no será en vano. Tengo la certeza de que, por lo menos, habrá una sanción moral que castigará la felonía, la cobardía y la traición.

Salvador Allende

Poder Popular editou às 11:15
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Domingo, 19 de Agosto de 2007

Relembrando Zeca Afonso

ZECA AFONSO

 
Viva o poder popular

Não há velório nem morto
Nem círios para queimar
Quando isto der prò torto
Não te ponhas a cavar

Quando isto der prò torto
Lembra-te cá do colega
Não tenhas medo da morte
Que daqui ninguém arreda

Se a CAP é filha do facho
E o facho é filho da mãe
O MAP é filho do Portas
Do Barreto e mais alguém

Às aranhas anda o rico
Transformado em democrata
Às aranhas anda o pobre
Sem saber quem o maltrata

Às aranhas te vi hoje
Soldado, na casamata
Militares colonialistas
Entram já na tua casa

Vinho velho vinho novo
Tudo a terra pode dar
Dêm as pipas ao povo
Só ele as sabe guardar

Vem cá abaixo ó Aleixo
Vem partir o fundo ao tacho
Quanto mais lhe vejo o fundo
Mais pluralista o acho
Os barões da vida boa
Vão de manobra em manobra
Visitar as capelinhas
Vender pomada da cobra


A palavra socialismo
Como está hoje mudada
De colarinho a Texas
Sempre muito aperaltada


Sempre muito aperaltada
Fazendo o V da vitória
Para enganar o proleta
Hás-de vir comigo a glória


O Willy Brandt é macaco
O Giscard é macacão
O capital parte o coco
Só não ri a emigração


De caciques e de bufos
Mandei fazer um sacrário
Para por no travesseiro
Dum cura reaccionário


Não sei quem seja de acordo
Como vamos terminar
Vinho velho vinho novo
Viva o Poder Popular
Poder Popular editou às 12:26
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007

Movimento de Bases Populares da Venezuela

O salto em frente é o Poder Popular

por Movimento de Bases Populares da Venezuela

 

 Assistimos ao encerramento de um período de ofensiva contra-revolucionária, onde o povo venezuelano, sectores patrióticos das forças armadas e o governo derrotaram a dita ofensiva estratégica da direita interna, representada pelos grupos económicos, partidos políticos (Acção Democrática, COPEI, Bandeira Vermelha, Primeiro Justiça, MAS e Cúpulas Sindicais) e externa, o império norte-americano.         Esse período decorre desde a promulgação das “leis habilitantes” (10/12/2000), quando teve lugar a primeira greve decretado pelos sindicatos amarelos até ao referendo, passando pelo Golpe de Estado (11/05/2001) e lock-out petrolífero.

Neste período valorizamos as ajudas do Companheiro Presidente à Revolução Bolivariana:

1- Desenvolvimento da consciência popular do Pensamento Bolivariano, pensamento que foi assumido pelo povo como parte da sua identidade e alternativa transformadora.

2- Desenvolvimento, também da consciência do povo, de um sentimento anti-imperialista, com que o povo precise e identifique o inimigo principal.

3- Promulgação do texto constitucional. O incremento dos níveis de organização do povo, os nove processos eleitorais, sendo o mais importante o ratificador. A promulgação das leis habilitantes. O avanço na abertura de espaços internacionais permeáveis e favoráveis aos êxitos do projecto bolivariano, a proposta política do salto em frente, como um segundo fôlego de transformações politico-sociais e económicas.

A implementação nacional das Missões
[1] permitiu incorporar o povo, maciçamente, nas políticas sociais e, fundamentalmente, a ser participante directo de uma das formas de distribuição da renda petrolífera, mas também reconfigurou uma nova institucionalidade, contraposta ao velho estado “puntofijista”. Um desafio que a partir daqui se coloca é precisamente a superação desse velho estado e a configuração de um estado de transição, democrático, nacional e popular, expressão da nova realidade nacional; para a revolução é imprescindível construir uma nova institucionalidade, um novo estado e novas relações de poder, onde o horizonte seja a socialização-democratização do poder político.

A elaboração de uma política energética multilateral permitiu dar um preço mais justo ao petróleo, reactivar a OPEP e, nessa direcção, valorizamos os esforços por uma política petrolífera e energética continental e subordinada às necessidades de desenvolvimento nacional dos nossos países.

Encerra-se um ciclo da luta de classes, a contra-revolução foi tacticamente derrotada e abre-se um novo período de confrontação, onde emergem novos actores e novos cenários. Aqui, queremos destacar a situação provocada pelo sequestro do dirigente revolucionário Rodrigo Granda, em flagrante violação da soberania nacional e um claro exemplo da expansão e aprofundamento do Plano Colômbia II, que expressa os verdadeiros planos do império para desestabilizar a Revolução Bolivariana e regionalizar o conflito colombiano, cenário ideal para dividir os nossos povos e aí colocar as suas forças militares recolonizadoras. Perante isto, repudiamos firmemente as provocações fascistas do lacaio Alvaro Uribe, títere do império norte-americano, que está a converter a república irmã da Colômbia num porta aviões ianque, a partir da qual se deslocariam as forças intervencionistas contra a nossa revolução e todos os povos latino-americanos em luta.

Por isso pensamos que a estratégia imperial para derrotar a revolução bolivariana está numa fase de reelaboração e procura descobrir um novo actor que conduza a contra-revolução. E aqui está, a nosso ver, problema central: neste novo período, o aprofundamento ou a derrota da revolução passa por o povo organizado e as suas diversas formas de organização política na rua, elevando o seu nível de consciência e organização, impedir que a direita enquistada no processo, empenhe os nossos sonhos e esperanças ao império, sob a fórmula de institucionalização da revolução, canalizando o processo dentro dos parâmetros de um novo estado capitalista modernizado.

Assim, neste novo ciclo histórico, os inimigos principais continuam a ser o imperialismo norte-americano e a direita, disfarçada de bolivariana, infiltrada no processo; daí ser fundamental mobilizarmo-nos e lutar para que o salto em frente da revolução seja, efectivamente, o aprofundamento das transformações sociais, políticas e económicas, isto é, que se constitua num instrumento de efectiva e real transparência do poder perante o povo organizado.

A confrontação política de classes agudizar-se-á e passará para outras instâncias e planos, onde um deles é a resistência-boicote às mudanças do velho estado para a construção de uma nova institucionalidade revolucionária. Por isso, nós, homens e mulheres do campo e da cidade, organizados no Movimento de Bases Populares, 13 anos antes da insurreição cívico-militar bolivariana, queremos retomar esse mesmo espírito rebelde e heróico dos nossos militares patriotas, para novamente colocar a necessidade histórica da unidade entre o povo e as Forças Armadas, para fazer frente ao inimigo que espreita a nossa Pátria, e isso não é outra coisa senão a defesa integral da Nação. Propomos ao povo e às organizações populares a seguinte plataforma de luta que, na prática concreta, nos vá articulando e unificando, sem sectarismos, nem cálculos de grupo, pois o nosso único guia de acção deve ser a defesa e aprofundamento da revolução. Não podemos abandonar o companheiro Presidente neste novo ciclo histórico de confrontação de classes. De nós depende, pois, que a espada de Bolívar prossiga cavalgando pela América Latina.

PLATAFORMA DE LUTA DO POVO BOLIVARIANO

 

  • Assumir a Defesa Integral da Pátria no campo e na cidade.
     

  • Construir Brigadas de Segurança Camponesa e Comités de Defesa Popular, conjuntamente com as nossas forças armadas, sob o lema de guerra de todo o povo.
     

  • Frente à agressão do império, massificar a reserva e elevar o seu nível de preparação.
     

  • Construir um espaço de convergência do anti-imperialismo latino-americano e global.
     

  • Nacionalizar a banca.
     

  • Democratizar o Banco Central. As reservas económicas são do povo e devem financiar o desenvolvimento nacional.
     

  • Revolução Agrária. Avançar com as cartas agrárias da propriedade social da terra e a sua conformidade com circuitos produtivos regionais.
     

  • Impulsionar a reforma e aprofundar a Lei das Terras, com a participação directa dos camponeses.
     

  • Desenvolver a níveis superiores as Cooperativas e outras forma associativas, como alternativa de novas relações sociais.
     

  • Participação directa do campesinato e pequenos produtores nas decisões do Plano Sementeira.
     

  • Fim da impunidade e do assassinato por encomenda. Fim dos despejos e violações dos direitos humanos nos campos.
     

  • Construir um espaço de encontro do movimento camponês revolucionário, assumindo a mobilização como um terreno de luta.
     

  • Titulação colectiva da terra, créditos e sementes sem sabotagem e apoio técnico para todo o processo produtivo.
     

  • Nova cultura produtiva e implementação de novos modelos educativos nas cooperativas, adaptados à realidade do campo.
     

  • Transformar do Estado e da Administração Pública. Avancemos para um novo Estado Nacional e Popular.
     

  • Simplificar os trâmites e processos administrativos dos organismos estatais a que povo tem acesso.
     

  • Reforma Universitária, por uma Universidade democrática, nacional e popular, promotora dum desenvolvimento endógeno.
     

  • Construir e desenvolver um movimento estudantil adequado à nova realidade histórica do país: amplo, unitário e revolucionário.
     

  • Retomar o impulso e o debate sobre a transformação universitária, assumindo a participação concreta na nova Lei da Universidade.
     

  • Implementar e aprofundar as Leis de Participação Popular e ampliar os mecanismos democratizadores do poder, em todas as suas esferas: O Poder Popular constrói-se aqui e agora.
     

  • Municipalizar o Poder Popular na nova Lei das Municipalidades, com a incorporação, em todos os níveis de decisão, do povo organizado: co-governo e democracia directa. O novo estado deve construir-se desde baixo.
     

  • Reforma da Lei FIDES, ampliação até 50% da inversão directa das comunidades
     

  • Construção concreta da Frente Revolucionária de Massas, como instância de unidade e articulação programática dos movimentos sociais e políticos, revolucionários do processo.
     

  • Discussão e desenvolvimento, desde baixo, dos 10 pontos do novo mapa estratégico da revolução.
     

  • Assumir as Assembleias Populares como veículo para a discussão e implementação da presente plataforma de luta.
     

[1] N. do T.: Refere-se, entre outras, à Missão Barrio Adentro e à Missão Robinson que, com ajuda cubana, levaram cuidados de saúde a milhões que deles estavam privados e trabalham para a extinção do analfabetismo na Venezuela.

O original encontra-se em:
http://www.apiavirtual.com/modules.php?name=News&file=article&sid=4942.

Tradução de JPG.


Este documento encontra-se em: http://resistir.info/.

12/Fev/05
Poder Popular editou às 18:29
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 13 de Agosto de 2007

Aniversário de Fidel

 Fidel Castro, faz hoje 81 anos.

Parabéns para ele e para Cuba que tem uma sociedade sem explorados e exploradores, onde os EUA não conseguem dominar como o fazem na maioria dos países do mundo e que apesar dum injusto bloqueio económico e comercial Cuba vai sobrevivendo e mostrando ao mundo que o comunismo é viável.

Parabéns camarada Fidel.

viva Fidel, viva Cuba, viva o Socialismo.
Poder Popular editou às 16:22
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 12 de Agosto de 2007

Vencer o capitalismo

Com a queda da URSS o capitalismo ficou dono de toda a sociedade humana e o resultado está á vista.

Torna-se urgente dar força á luta pelo verdadeiro Poder Popular em todo o mundo.

Poder Popular editou às 16:21
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim

Exercendo Poder

 

Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Poder em acção

Só vence quem perservera

CHE continua vivo em noss...

Dois acontecimentos, uma ...

Relembrando Zeca Afonso

Movimento de Bases Popula...

Aniversário de Fidel

Vencer o capitalismo

Registos

Dezembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Campo de batalha


Poder Popular

A Voz do Proletário

Explorados e Oprimidos

Vítimas do terrorismo

O Revolucionário

Unidade POVO/MFA

Reforma Agrária

Bandiera Rossa

A Bandeira Vermelha

O Verdadeiro Socialismo

O anti-capitalista



Estou no Blog.com.pt
blogs SAPO

subscrever feeds

tags

todas as tags